segunda-feira, 28 de julho de 2008

Fraldinha & Meinha


Desculpem-me mas não resisti. Tinha que ser este o título do post.
No último fim de semana presenciei um momento muito especial na vida de um casal de amigos. Eles firmaram compromisso, papel passado e tudo, de ficar juntos. O que mais me agrada nisso é que eles vivem uma típica história de amor moderna: um não precisa do outro. Um quer o outro. Um escolheu o outro.
E isso para mim é o que melhor define minha geração. Claro que por aí ainda perambulam Rapunzels e Cinderelas (pobres coitadas), uma com os cabelos imensos, para agüentar o peso do príncipe encantado, a outra com os pés deformados pelos sapatinhos de cristal, única forma de ser reconhecida pelo seu futuro eterno amor... Nossa, chego a sentir arrepios de repulsa!
A imensa maioria, no entanto, já se deu conta de que o gostoso é ter realidade, dia a dia, cotidiano como o descrito por Chico: “todo dia ela faz tudo sempre igual...”. Bom, nem tudo, senão vira monotonia. Então cada casal cria sua rotina, com suas peculiaridades – como Fraldinha e Meinha – e assim vão vivendo, felizes.
Por quanto tempo? Quem liga pra isso?! O legal é justamente saber que, como dito lá no início, cada um está com o outro porque QUER. Não porque depende financeiramente, não porque sem o outro se joga do décimo andar. Porque é gostoso, porque se curtem, têm afinidades, diferenças, amor, brigas e no final fazem as pazes. E que delícia fazer as partes depois de uma birra!
Amor hoje é isso, cumplicidade, parceria. As famílias não tem “chefe”, tem um casal, que contribui para o bem estar comum, seja com ambos sendo devorados pelo mercado de trabalho, seja com um trabalhando e o outro dando duro em casa. Temos a liberdade de escolher e isso é fantástico.
Não acredito que a mulher precise ser workaholic para ser valorizada, basta que ela seja inteligente, bem humorada, tenha auto-estima para gostar mais de si do que de um casamento fracassado.
Assim como não basta o homem ter um contracheque para “mandar” na casa. Afinal, quem decide como gastar o dinheiro são as mulheres... Então cabe a eles hoje ter também o nosso jogo de cintura, o jeito manso de falar com voz rouca quando quer convencer o outro a comprar algo mega supérfluo mas indiscutivelmente necessário.
Que maravilha! Viva a igualdade, desigualdade, diferenças, semelhanças entre homens e mulheres. E a liberdade de sermos o que quisermos, porque vivemos no século 21 e a liberdade de se permitir ser é maior que a obrigação em parecer o que não é.
Aos meus amigos, infinita felicidade, que Fraldinha e Meinha passem muitas noites juntos se amando!

5 comentários:

Gilclebson disse...

Sou muito feliz por ter um pezinho quentinho para esquentar o meu todos os dias...

Dayana disse...

Não é que essa combinação de meinha e fraldinha dá certo, menina? Para aqueles em dúvida em compartilhar a vida, eu posso dizer que está sendo maravilhoso! Mas sempre lembrem de viver com a pessoa, e nunca para a pessoa. Este é o segredo!

O Menino que Voa disse...

Concordo em genero, numero e grau. E isso se define, também, nos casais chamados não-convencionais. Porque, pra mim, amor de verdade é o amor que sobrevive ao não-precisar. Amor com liberdade. É exatamente o querer estar junto e ficar APENAS por isso, não por necessidade.

Giancarlo disse...

Primeiramente acho que além da meinha e da frandinha é necessário existir um balancinho. Agora falando sério acho que hoje o amor se define pelas expressões que aprendi durante esses 4 anos, quais sejam, 1.º vc vive COM a pessoa e NÃO PARA a pessoa; 2.º para aqueles que acreditam no amor da pessoa escolhida para ficar ao seu lado valorize-a a cada dia faça com ela se sinta a única pessoa existente na faça da terra e AME COMO SE ESTIVESSE SE JOGANDO DA VOLTA DO CONTORNO PARA O MAR ADENTRO e saborei o prazer gostoso do que é AMAR. POR ISSO SÓ POSSO DIZER UMA COISA IO T'AMO, I LOVE YOU, JE T'AME, SOU CAFONA SOU, MAS O AMOR QUE SINTO POR VC NINGUÉM ME TIRA, POR ISSO AMO VC COM TODAS AS LETRAS DAYANA.

Carol disse...

kkkkk....Ninguém precisa disso pra ser feliz!!!! rs rs rs
A mais nova geração agora QUER ficar só, mas não solitária....E para nos fazer companhia temos amigos meinhas e fraldinhas!! rs rs
Assim eles não enjoam um do outro!!!kkkkkkk